Semast implanta ações alusivas ao Janeiro Branco

28/01/2021 - 14:26 Atualizado há 2 horas



Como parte das ações do Janeiro Branco desenvolvidas pela Prefeitura de São Cristóvão, a Secretaria de Assistência Social e do Trabalho (Semast) somou forças com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para a realização de atividades alusivas ao Janeiro Branco. Desta forma foram desenvolvidas atividades como palestras, encaminhamentos e orientações através dos atendimentos aos usuários dos dois Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) do município.

 

A Campanha Janeiro Branco é um gatilho para que as pessoas observem em si e nos outros possíveis transtornos psicológicos, e desmistifiquem assim tais problemas. Com todos os percalços ocasionados pela pandemia do novo coronavírus, as sequelas psicológicas atingem diariamente inúmeras pessoas, que muitas vezes nem têm consciência de que estão sofrendo com algum transtorno. Segundo informações da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil atualmente se classifica na segunda colocação entre os países da América com pessoas sofrendo de depressão. Outro dado preocupante aponta a prevalência do brasileiro em ser o povo mais ansioso do mundo.

Equipe CRAS Gilson Prado

 

Nos dois CRAS, as ações transitaram entre educativas e encaminhamentos às unidades de saúde da família. Segundo a coordenadora do CRAS Gilson Prado (Bairro Rosa Elze), Jildenes Cândida Araújo, o encontro realizado na sala de espera da unidade teve como foco a importância de se falar mais sobre saúde mental. “Temos que pensar na parte psicológica e não apenas na saúde física. Assim, todos os nossos servidores participaram dessa atividade, uma vez que este assunto é importante. Os nossos usuários participaram ativamente, e a ação foi muito proveitosa, ainda que muitos não tivessem despertado para esse assunto antes. O encontro serviu para a troca de informação e descontração onde todos nós aprendemos mais sobre o tema”, disse.

 

A mesma observação sobre a importância de se discutir a saúde mental foi constatada também pela coordenadora do CRAS São Cristóvão (localizado na avenida Irineu Nery), Paula Cardoso. “Esses encontros com a comunidade estão dentro do nosso planejamento de atendimento para com os usuários que são atendidos em nosso CRAS. A questão da saúde mental passa por tudo. Desta forma organizamos atividades de recepção para os nossos usuários como forma de tratar o assunto de maneira mais aberta e acessível”, pontuou.

Paula Cardoso

 

De acordo com a psicóloga do CRAS São Cristóvão, Ingrid Mary Santos Oliveira, a saúde mental deve ser discutida em outras esferas além do campo das unidades de saúde, como forma de diminuir o preconceito sobre o tema. “Nestes encontros percebemos que muitas pessoas que não tinham conhecimento ou que tinham preconceito de falar sobre o tema passaram a entender melhor que a saúde mental deve ser um assunto discutido e recorrente. Essas pessoas passaram a enxergar que existem diversos transtornos ligados às emoções, e que discutir isso deve ser algo do nosso cotidiano”, finalizou.

Ingrid Mary Santos Oliveira

 

 

Fotos: Dani Santos e arquivo da Semast.