Aumento de pacientes com quadro respiratório gera maior tempo de espera na emergência 24h

22/12/2021 - 17:02 Atualizado há 21 horas



 

Devido ao recente aumento de casos de pacientes com síndrome gripal no município, a Emergência 24h localizada no Eduardo Gomes começa a observar um aumento no tempo de espera dos pacientes a serem atendidos. Segundo Camila Freire, Gerente da Emergência 24h, é necessário que a população compreenda o cenário atual.

 

 

“Devido ao aumento de casos e aos festejos natalinos a Unidade tem tido um grande aumento de atendimento. Continuamos atendendo, mas é preciso que todos entendam a classificação de risco, pois ela existe justamente para dar o atendimento conforme o perfil do paciente. Os pacientes que necessitarem de atendimento imediato terão esse atendimento conforme a classificação de risco”, afirma a Gerente.

 

 

O que é classificação de risco e para que serve

 

A classificação de risco nas unidades de saúde é um instrumento de fundamental importância para organização do serviço e priorização do atendimento. Ela é utilizada para organizar o atendimento de pacientes que precisam de tratamento imediato, conforme o potencial de risco, os agravos à saúde ou o grau de sofrimento.

 

 

 

Na Unidade de emergência 24h de São Cristóvão, após a ficha cadastral, o paciente é acolhido e é realizada a classificação de risco por um profissional de enfermagem capacitado. Essa etapa consiste na anamnese e verificação de sinais vitais como pressão arterial, temperatura, frequência cardíaca, frequência respiratória, e saturação, para em seguida o paciente passar para o atendimento médico.

 

 

“A nossa unidade apresenta um atendimento médio de 80 pacientes em 24hs, estes com tempo máximo de espera de 20 a 30 minutos para classificação de risco e atendimento médico, para casos de prioridade azul ou verde, um processo muito rápido em comparação a outros serviços semelhantes, o que mostra o quanto a gestão, equipe assistencial e administrativa vem trabalhando a fim de ofertar a assistência aos usuários”, explica Heloiza Andrade, Referência Técnica de Enfermagem da Unidade de Urgência 24h.

 

 

“A população atendida deve saber que a classificação de risco é efetiva e se faz necessário, pois há um usuário necessitando atendimento imediato da equipe assistencial, com risco eminente de morte. Todos devem compreender que as queixas clínicas serão logo e brevemente atendidas e sanadas”, reforça Heloiza Andrade.

 

 

Foto: Dani Santos