SMS realiza reunião do Comitê de Microplanejamento em Multivacinação para discutir estratégias de imunização em 2024

09/02/2024 - 17:22 Atualizado há 4 horas



Nesta quinta-feira (08), a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de São Cristóvão reuniu gestores e profissionais da saúde no Comitê de Microplanejamento em Multivacinação para discutir estratégias e ações de imunização para 2024. O comitê foi formado por diretorias e coordenações da SMS junto a vacinadores, enfermeiros, Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e representantes de outras secretarias.

 

A iniciativa do Comitê de Microplanejamento em Multivacinação partiu da instituição da Portaria 844/2023 pelo Ministério da Saúde, que deliberou incentivo financeiro de custeio, excepcional e temporário, para ações de multivacinação nos municípios, estados e Distrito Federal, visando ampliar a cobertura vacinal entre crianças e adolescentes de até 15 anos de idade no País. A construção do comitê é requisitada para a deliberação e fiscalização coletiva dessas ações, levando em conta o olhar dos profissionais que lidam diretamente com o público das ações e suas necessidades.

 

 

Segundo Maria Fernanda Camarço, diretora de Planejamento do SUS São Cristóvão, o intuito é que essa iniciativa impacte no aumento da cobertura vacinal de crianças e adolescentes. Isso demanda o microplanejamento e a organização em etapas, em que o planejamento se junta à coordenação de imunização e outras áreas, para avaliar indicadores e resolver os problemas.

 

“Para isso, foi estabelecida a matriz FOFA, para avaliarmos nossas Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças, onde precisamos melhorar, quais ações precisamos fazer. Além disso, a portaria traz um recurso financeiro para isso. Então, a partir do microplanejamento daquilo que vimos que era nossa necessidade, vamos alocar o recurso para desenvolver essas ações. Essas reuniões são justamente para definir o que vamos adquirir, o que é estratégico adquirir e para onde vai esse custeio”, explica a diretora.

 

Maria Fernanda Camarço, diretora de Planejamento do SUS São Cristóvão

 

Ana Therezinha Marques, coordenadora da Imunização do município, reforça que a proposta feita pelo Ministério da Saúde visa também centralizar as discussões estratégicas não apenas em uma área técnica, mas em todas que envolvem a vacinação, o que inclui a representação de diferentes diretorias e secretarias. 

 

“A ideia é que cada um traga como exemplo sua experiência. Às vezes, por exemplo, os profissionais possuem muita dificuldade com o sistema de informação, com os tablets, então trazemos uma representação técnica do departamento de informática. Então conseguimos ouvir todos os pontos, pensar em estratégias e discutir como avançamos com a cobertura vacinal e quais os focos durante este ano”, aponta Ana Therezinha.

 

Ana Therezinha Marques, coordenadora da Imunização do município

 

Como parte dos profissionais que abrangem a discussão sobre as necessidades na vacinação, o Agente Comunitário de Saúde Alex de Oliveira, que atua no bairro Eduardo Gomes, compôs o comitê e ressalta que desde o nascimento até o desenvolvimento da criança, os ACS acompanham criteriosamente a vacinação desses usuários, para garantir a conclusão do calendário vacinal.

 

“O nosso maior obstáculo é o convencimento dos pais, pois, depois de uma pandemia e da negação da vacina, esse trabalho ficou um pouco mais difícil. Nós precisamos criar outros recursos para levar a vacina até a população e esse microplanejamento agora foi interessante, para que muitas pessoas que não estão sendo esclarecidas saibam que podem contar com o apoio da rede para continuar implementando esse serviço de vacinação, que é tão importante”, destaca Alex.

 

Alex de Oliveira, Agente Comunitário de Saúde

 

A Estratégia Saúde da Família é uma aliada essencial por também acessar diretamente os cuidados com a população, e, enquanto coordenadora, Alícia Lisboa explica que o município de São Cristóvão já conta com vantagens, como as unidades de saúde incluídas no Saúde na Hora, que ofertam vacinação em horário estendido, até as 19 horas, reforçando que existe tentativas de ampliação ao acesso à imunização.

 

“Precisamos pensar além, ter o olhar para o nosso território, porque sabemos também que muitas ações não estão sendo o suficiente devido à normalização que o território tem. Então, esse pode ser um espaço em que temos diversas profissões juntas discutindo essa temática, assim como a presença de outras secretarias, reafirmando essa necessidade para conseguir ver a perspectiva de todos e ter a certeza que vamos conseguir elevar ainda mais os nossos índices de vacinação”, espera a coordenadora.

 

Alícia Lisboa, coordenadora da Estratégia Saúde da Família

 

Fotos: Clara Dias