Prefeitura leva sessão de cinema gratuito à Praça São Francisco

13/12/2021 - 17:43 Atualizado há 11 horas



Com o intuito de democratizar o acesso da população ao cinema brasileiro, a Prefeitura de São Cristóvão, em parceria com a Associação dos Docentes da Universidade Federal de Sergipe (ADUFS) e Centro de Estudos Árabes e Islâmicos, promoveu uma sessão de cinema gratuito na praça São Francisco, na noite da última sexta-feira (10). O longa-metragem exibido foi "Maksuara- Crepúsculo dos deuses'', do diretor e cineasta Neville D’almeida, que estava presente no evento.

 

Durante a abertura da sessão, o diretor falou para todas as pessoas presentes sobre o contexto do filme, que ele denominou como docudrama, pois retrata uma tragédia anunciada, que é o extermínio da população e da cultura indígena no Brasil. “O documentário retrata a viagem do indígena Maksuara até a civilização, quando lá ele vivencia um sofrimento que perpassa a falta de oportunidades. Esse documentário dramatizado mostra justamente  a decadência, a miséria e a falta de assistência dos povos nativos do Brasil, fato que vem desde o período da colonização”, enfatizou Neville. 

 

Neville D’almeida, diretor e cineasta

 

De acordo com Paola Santana, presidenta da Fundação Municipal de Cultura e Turismo (Fumctur), “o projeto de levar o cinema gratuito às praças de comunidades existe desde 2019, com o intuito de formar um público consumidor de cinema e conhecedor das produções nacionais. Essa parceria foi a oportunidade de reavivar a ideia inicial desse projeto, que pretendemos dar continuidade ao longo dos próximos anos, com a exibição de filmes para todas os públicos, inclusive infantil ”, explicou.

 

Paola Santana, presidenta da Fumctur

 

O professor e presidente da ADUFS, Romero Venâncio, prestigiou a exibição, avaliou a parceria como de grande importância para os sancristovenses e ainda falou sobre  considerar a Praça São Francisco um lugar cativo e propício para reunir pessoas em atividades culturais. “A ideia de ter cinema na praça é fundamental, justamente para consolidar a criação de um público. O público de cinema não nasce naturalmente, é necessário um estímulo para que ele seja criado, por isso eu torço para que projetos como esse tenham continuidade”, destacou.

 

Romero Venâncio, presidente da ADUFS

 

Moradores prestigiam o evento e aprovam a iniciativa

 

O morador e artista plástico, Gladston Barroso, saiu das suas atividades rotineiras para contemplar a programação. “Esse tipo de experiência coletiva é importante, porque oportuniza que mais pessoas tenham acesso a esse tipo de manifestação cultural, assim como desperta a nostalgia de quem acompanhou o extinto cinema da cidade”, destacou ele. O artista aproveitou a ocasião para ressaltar que ações coletivas podem ser transformadoras, capazes de mudar o Brasil, inclusive.   

 

Gladston Barroso,artista plástico

 

Apreciador de cinema, o estudante Pedro Faro diz que não hesitou em prestigiar a exibição do filme, quando a professora os convidou para participar da programação. “Eu estava na escola, a professora nos convidou para vir e eu não pensei duas vezes. Não conhecia a temática, mas todas as histórias são bem-vindas, todos os filmes nos acrescentam informação, conhecimento. E para nós que não temos cinema na cidade, é um presente”, explicou. 

 

Pedro Faro, estudante 

 

Exibição do filme Maksuara- Crepúsculo dos deuses de Neville D'Almeida

 

Trecho do filme Maksuara- Crepúsculo dos deuses de Neville D'Almeida

 

Fotos: Heitor Xavier