Fasc 2023 chega ao último dia com aclamação do público

03/12/2023 - 23:43 Atualizado há 5 horas



Do dia 1° ao 3 de Dezembro as ruas de São Cristóvão foram tomadas pelas cores, sabores, tradições e arte em comemoração à 38° edição do Festival de Artes de São Cristóvão, o Fasc. O evento, que contou com uma diversidade em sua programação, desde cinema à literatura, da música às artes plásticas, atraiu os visitantes de cidades vizinhas e de outros estados do Brasil.

 

Morando na capital sergipana há cinco anos, Gleydson Brian, cineasta, comenta sobre sua percepção na edição 2023. “Essa é a minha quarta vez aqui no Fasc. Eu estou achando que a edição está mais diversa e percebi um maior empenho nas oficinas, nas disposições de outras manifestações artísticas. Percebo também outras pessoas vindo pela primeira vez e consigo notar um fluxo maior além da universidade” diz Brian.

 

Gleydson Brian, cineasta

 

Daisy Soares e sua filha Deisiane Soares, turistas cariocas, visitaram pela primeira vez o festival. Além de se encantarem pela programação e se interessarem pela musicalidade do lugar, elas também apreciaram um espetáculo que é possível conhecer ao longo de todo ano: a arquitetura da 4° cidade mais antiga do país.“O lugar é muito bonito, tem a parte histórica e eu gosto muito de lugares que têm um centro histórico. Então eu tô gostando muito. Voltaremos com certeza em outras oportunidades”, exclama Deisiane.

 

Daisy Soares e sua filha Deisiane Soares, turistas cariocas

 

A edição deste ano encanta mais uma vez quem já passou pelo evento nos anos anteriores. A gaúcha Bárbara Borges, pela segunda vez no Fasc, curtiu todos os dias do festival e foi uma das visitantes da cidade a elogiar as atrações que passaram pelo evento. Vinda especialmente para curtir o show de Raquel Reis e Liniker, a estudante de psicologia também se surpreendeu com outros artistas da edição. “Tudo está maravilhoso, o Fasc sempre prometendo e entregando tudo. Gostei muito de FBC, foi uma surpresa porque eu não conhecia e amei”, declara. 

 

Bárbara Borges é gaúcha e veio aproveitar o Fasc

 

O show do FBC aconteceu no primeiro dia de evento, no palco Capuchinhos. Desde então, outros grandes nomes da música sergipana e nacional passaram pelos seis palcos do Fasc. Além, de diversos artistas terem ocupado os outros espaços para arte e tradição. 

 

Ansiosa pelo show do rapper Vandal, que se apresenta neste domingo no Palco Santa Cecília, a estudante de fisioterapia Layla Lima relata a experiência de estar mais uma vez prestigiando o evento. Vinda de Itabaiana, Layla  elogia a valorização da cultura e arte, coração do festival. “Eu estava tietando o meu amigo Luan Dias, ele está expondo no Salão das Artes. É bom também ter esses espaços por causa da valorização dos artistas”, declara.

 

Estudante de fisioterapia Layla Lima

 

Realização



O Festival de Artes de São Cristóvão é uma realização da Prefeitura, por meio da Fundação Municipal de Cultura e Turismo João Bebe Água (Fumctur), e do Governo Federal, através do Ministério da Cultura. O patrocínio fica por conta da Maratá, Orizon, Banco do Nordeste, Ecoparque Sergipe, Coca Cola, Caixa Econômica Federal e Estrella Galicia. Além disso, tem o apoio da RR Conect, Vitória Transportes, SE -  Sistema Engenharia, Colortex, Proex/UFS, Celi e Governo de Sergipe. O evento também possui habilitação pela Lei Rouanet, uma Lei Federal de Incentivo à Cultura que concede isenção às empresas que patrocinam eventos culturais.

 

Confira a programação deste domingo

 

03/12 - Domingo

 

*Programação sujeita a alteração

Palco João Bebe Água

20h - Joésia Ramos

22h - Zeca Baleiro

00h - Groundation

02h - Nona



Palco Frei Santa Cecília

18h - Camilla Cristyne

20h - Raquel Diniz canta Rita Lee

22h - Vandal

00h - Battukada

Palco Capuchinhos

15h - Oito Cotovelos

16h30 - Ferraro Trio

18h - Morgana



Samba na Bica

11h - Saulinho

12h30 - Cajurioca Samba Clube

14h - Mania de Ser

Palco Mestre Neca

14h - Maracatu Asé D'Ori

15h - Samba de Coco da Ilha Grande

16h - Quadrilha Meu Xodó

 

Fotos: Felipe de Jesus e Lucas Campos