Exposição Santos Juninos é aberta na Casa do Folclore de São Cristóvão

01/06/2021 - 17:53 Atualizado há 12 horas



Num ano normal a população de São Cristóvão teria ido às ruas na noite do dia 31 de maio para saudar com festa e devoção os santos do ciclo junino: Santo Antônio, São João e São Pedro. Este ano, com as restrições causadas pela pandemia, o período religioso foi aberto sem festa, mas com arte representada em altares na exposição Santos Juninos que estará aberta para visitação até o dia 30 de junho na Casa do Folclore na Praça São Francisco.

 

 

A abertura aconteceu na manhã desta terça-feira ( 01.06) com um benção do pároco da cidade Frei Pedro que também benzeu os três altares montados pela artista convidada, a arte educadora Sandra Santana. Para ela a inspiração veio do momento que estamos passando sem poder estar junto, sem poder visitar as pessoas, sem poder abraçar. “Chegou um momento que precisamos fazer alguma coisa para cuidarmos do lado espiritual, de buscar na espiritualidade um alento para esse momento da vida. A festa é uma festa que sustenta o nordeste e a gente está sentindo muito a falta do São João, da expressão de nossa cultura e acredito que esta exposição acolhe, neste momento”, disse ela.

 

 

Para Maria da Glória, curadora da exposição, os festejos juninos misturam festa e devoção. Segundo ela as pessoas rezam, dançam, bebem e brincam por mais de 30 dias, num revezamento que mistura emoção e fé. “Para homenagear essa comunidade que é tão festeira e é tão devota, a gente fez esses louvores a São João, São Pedro e Santo Antônio para que as pessoas busquem a cura e a alegria que está dentro de nós nesse momento de pandemia”, ressaltou Glória.

 


Além dos altares, um boneco representando Dona Biu também faz parte da exposição. Reconhecida como a anfitriã do ciclo junino no município, Dona Biu fez parte das Caceteiras, grupo folclórico com mais de dois séculos de tradição e o mais forte do ciclo junino em São Cristóvão.
Luiz Alexandre, sacristão da Igreja Nossa Senhora da Vitória, lembrou que já que o mastro não pode ser erguido, a caceteira não pode dançar e a procissão não pode sair, a exposição serve para cultuar nos jovens as tradições juninas. Ele disse, ainda que: “se não se dança com o corpo, dança com o coração”.

 

 

 

O quê: Exposição Santos Juninos
Quando: de 01 a 30 de junho
Onde: Casa do Folclore
Horario: das 8 às 14h