Vigilância Ambiental de São Cristóvão realiza vistoria no presídio Copencam

25/02/2021 - 16:47 Atualizado há 4 horas



Equipes da Vigilância em Saúde Ambiental de São Cristóvão realizaram duas visitas de vistoria no Complexo Penitenciário Manoel Carvalho Neto (COPEMCAN) nesta terça (23) e quinta-feira (25) após serem identificados casos suspeitos de dengue nos internos do local.

 

A coordenadora da vigilância em saúde ambiental de São Cristóvão, Elis Correia, acompanhou a equipe dos agentes de endemias ao presídio. “Fizemos uma reunião com a equipe de atenção primária prisional para estabelecer um fluxo de como seria a notificação e a coleta de sangue dos internos para a realização de exames de dengue, chikungunya e zika vírus. A equipe da vigilância ambiental se disponibilizou a realizar uma visita para identificar possíveis focos de mosquitos e larvas da dengue no local, pois se há casos suspeitos, possivelmente há focos no ambiente”, explicou a coordenadora.

 

 

 

 

No local foram coletadas larvas de mosquitos que foram encaminhadas ao laboratório municipal para identificação de que são mesmo larvas do Aedes egypti,  mosquito transmissor da dengue. Além disso, as equipes fizeram orientações gerais com relação ao cuidado com resíduos solidos no local e  ao acúmulo de água nos pátios e celas.

 

 “Faremos um relatório da vistoria solicitando ações mais efetivas de melhorias no ambiente do presídio. Observamos também a qualidade da água no local e planejamos uma ação conjunta com a vigilância sanitária para que possa ser utilizado hipoclorito na água que os internos utilizam para consumo próprio”, afirmou Elis Correia.

 

 

 

 

A vistoria desta quinta-feira (25) também contou com a vacinação contra raiva de cães e gatos que tem acesso às instalações do presídio. Foram vacinados 15 cães, enquanto os gatos serão vacinados na próxima visita.

 

Para o apoiador institucional da equipe de saúde primária Wagner Mendonça, estas ações fazem parte da atenção e cuidado aos internos. “Estamos ampliando as ações tanto na atenção aos internos do COPEMCAN, e também buscando as variáveis externas, como qualidade da água, ambiência e os animais são fundamentais, seja como vetores de doenças, seja pela vinculação e afeto entre humanos e animais”, afirmou.

 

 

 

Para o apoiador institucional da equipe de saúde primária Wagner Mendonça, estas ações fazem parte da atenção e cuidado aos internos. “Estamos ampliando as ações tanto na atenção aos internos do COPEMCAN, e também buscando as variáveis externas, como qualidade da água, ambiência e os animais são fundamentais, seja como vetores de doenças, seja pela vinculação e afeto entre humanos e animais”, afirmou.