Semast realiza roda de conversa entre mulheres na Casa de Costura Dona Zil

10/03/2022 - 19:40 Atualizado há 7 horas



A Prefeitura de São Cristóvão, através da Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho (Semast), realizou nesta quinta-feira (10), na Casa de Costura Dona Zil, a 2ª “Roda de Mulheres Cultura e Prosa”. Um evento que integra o Projeto de Intervenção de Estágio de Psicologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e faz parte das ações alusivas ao mês de Março, quando se comemora o Dia Internacional da Mulher.

 

Roda de conversa com o tema: trabalho, autoestima e saúde da mulher

 

Com o intuito de estimular a reflexão coletiva acerca de temáticas que permeiam o universo das docentes, que possuem a rotina repleta de afazeres e anseios, o projeto enfatizou temas como trabalho, autoestima e saúde, imprescindíveis para fortalecer vínculos entre as mulheres, além de auxiliar no desenvolvimento da cidadania e autonomia profissional. Para a secretária da Semast, Lucianne Rocha, a Casa da Costura transcende a função de profissionalizar, pois tem sido um espaço importante de encontro e fortalecimento de mulheres, para além do ensino, da prática e da produção.

 

Lucianne Rocha, secretária da Semast

 

“Tem sido um espaço de encontro de mulheres que se reconhecem em sua força, em suas dificuldades, que se auxiliam e que tem se comprometido cada vez mais com as ações daqui do município, cujo objetivo é o de fortalecer estas mulheres, que tem buscado se potencializar para melhorar a sua condição de sobrevivência, a condição da sua família e, sobretudo, a sua comunidade. Então investimos, porque o resultado que desejamos é maior do que realização profissional”, destacou a secretária.

 

Neusa Malheiros é diretora do trabalho da Semast e ela explica que a participação das estagiárias de psicologia da UFS é de suma importância sob a perspectiva de construir o perfil e a identidade das mulheres que realizam os cursos.  “A Casa da Costura se propõe a ser esse espaço de acolhimento e essa reunião faz jus ao nosso objetivo que é justamente para que elas discutam a vida, as dificuldades e desafios cotidianos enquanto mulheres, mães e trabalhadoras. Nossa equipe não hesita em ajudar nesse processo de construir a cidadania das mulheres e pensar nos seus direitos e bem-estar”, explicou.

 

Neusa Malheiros é diretora do trabalho da Semast

 

A diretora ainda acrescenta que encontros com esta finalidade devem acontecer com frequência e salienta a importância de projetos que consolidam esta prática de promoção à saúde e autonomia das docentes dos cursos. “A ideia é que essas rodas aconteçam sempre, provavelmente, uma vez por mês, fazendo parte de um Projeto da Casa da Costura, que está em andamento, já tem nome e logo será concretizado, para atender as mulheres sancristovenses”, finaliza a diretora.

 

Participação efetiva de profissional da secretaria de saúde e da comunidade

 

Para Edjane Mendes da Silva, psicóloga e gerente do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Valter Correia, o maior objetivo destes encontros é fazer com que as mulheres alcancem o autoconhecimento e a partir daí saibam lidar com o outro e com o seu entorno. “Infelizmente ainda vivemos em uma sociedade machista e patriarcal, o que nos obriga a lutar e resistir. Precisamos combater os estigmas e para isso é fundamental que estejamos unidas, para que vivamos bem nesta sociedade, para precisa ser menos agressiva e, principalmente, guiadas por mulheres”, pontuou.

 

Edjane Mendes da Silva, psicóloga e gerente do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Valter Correia

 

Maria Helena Souza Freitas, costureira e artesã, agradece à gestão por tê-la ajudado a aperfeiçoar as técnicas em sua profissão e resumiu o encontro à palavra união. “Aqui é uma roda de amigas costureiras, importante para nos dar força no dia a dia, tanto aqui, quanto em nossas vidas fora daqui. Eu acho louvável a iniciativa da secretaria e só tenho a agradecer à gestão por ter sido a única a olhar por nós”, disse.

 

Maria Helena Souza Freitas, costureira e artesã

 

Edneide dos Santos é estudante do curso de costura e costuma se envolver em todas as iniciativas promovidas pela prefeitura, desde os cursos, os quais garantirão o seu futuro profissional, às demais atividades extracurriculares. “Nós mulheres precisamos dessa atenção e cuidado e uma das maneiras de melhorar a nossa saúde é a interação com o outro. Eu tenho gostado muito dessas rodas de conversa e a minha expectativa é sair daqui melhor do que entrei, além de conquistar uma profissão, tenho buscado ser mais empática comigo e com o próximo”, destacou.

 

Edneide dos Santos, estudante do curso de costura

 

Fotos: Dani Santos