São Cristóvão recebe título estadual de ‘Cidade Mãe de Sergipe’

19/03/2021 - 16:33 Atualizado há 7 horas



O projeto de lei (nº 25/2021) do deputado estadual, Francisco Gualberto, conferindo à cidade de São Cristóvão o título de "Cidade Mãe de Sergipe" foi aprovado na sessão desta quinta-feira, 18, pelos deputados estaduais. Durante a justificativa do projeto, aprovado por unanimidade, Gualberto explicou que o historiador Adailton Andrade, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe (e membro também do Movimento Cultural Antônio Garcia Filho da Academia Sergipana de Letras e Acadêmico da Academia Sancristovense de Letras e Artes), escreveu um importante texto sobre a pertinência do título de “Cidade Mãe de Sergipe” para São Cristóvão, o que contribuiu para a votação favorável do projeto.

Francisco Gualberto

 

“Esse projeto de lei valoriza a história e a cultura de São Cristóvão. Coloca em lei complementar uma realidade que já existe. Todos nós sabemos que São Cristóvão foi a cidade por onde tudo começou em Sergipe, e também foi a primeira capital do Estado. É uma cidade cujo patrimônio arquitetônico, por si só demonstra a sua importância para Sergipe, mas por outras questões, a cidade deixou de ser capital e Aracaju assumiu esse papel”, pontuou Francisco Gualberto, que é sancristovense, nascido no povoado Caípe Velho.

 

Gualberto pontuou que o historiador Adailton Andrade, em seu texto, destacou a fundação de São Cristóvão em janeiro de 1590, pelo capitão português Cristóvão de Barros, enquanto primeira cidade de Sergipe e a quarta surgida no Brasil, depois de Salvador, Rio de Janeiro e João Pessoa. O conteúdo também trouxe ainda que a princípio, São Cristóvão foi erguida mais próxima ao litoral, perto da foz do Rio Vaza-Barris, e que entre 1595 e 1596 foi transferida (como medida de segurança contra uma possível invasão da França), sendo mudada para uma elevação próxima à barra do Rio Poxim, e posteriormente, sem que esteja elucidada a motivação, foi transferida em 1607 para a sua atual localização.

“Portanto, é justo o título de ‘Cidade Mãe de Sergipe’ por ser a localidade onde tudo começou para o Estado, com inegável legado histórico e cultural, constituído nos seus monumentos religiosos, no nome da cidade, na sua arquitetura com influência portuguesa e espanhola, no nome das pessoas de acordo com o dicionário do Sancristovense Armindo Guaraná, nos registros comprobatórios nos estudos e pesquisas de Felisbelo Freire, Maria Téthis Nunes, Ivo do Prado e tantos outros”, frisou o deputado estadual.


Gualberto também destacou que a atual gestão municipal já vem tornando público o discurso de ‘Cidade Mãe de Sergipe’, fomentando assim o slogan para a população e também para os visitantes. “Frequentadores que não são da cidade também têm conhecimento dessa referência histórica à cidade de São Cristóvão. Portanto, não temos a intenção que essa referência seja apenas um reconhecimento do atual prefeito Marcos Santana, mas que seja um reconhecimento legal da história, e que seja colocada em lei de forma que ultrapasse os governos”, enfatizou o parlamentar.

 

O prefeito Marcos Santana frisou que recebeu a informação sobre a aprovação do título de ‘Cidade Mãe de Sergipe’ com muita satisfação e orgulho. “O deputado Gualberto se interessou em saber o porquê de usarmos o termo ‘Cidade Mãe de Sergipe’ e nós enviamos para ele o texto do historiador Adailton Andrade explicando a razão. Também propusemos a ele elaborar uma proposta de lei efetivando este título, reconhecendo a nossa cidade enquanto símbolo sergipano. Em nossa legislação, o termo ‘Cidade Mãe de Sergipe’ já é considerado um símbolo do município, e agora com o reconhecimento da Assembleia Legislativa do Estado isso ganha uma importância maior porque aí passa a ter valor não apenas para nós, mas sim para Sergipe como um todo. Este título torna-se um símbolo municipal, igual a nossa bandeira quanto o brasão da cidade”, disse Marcos Santana.

Marcos Santana

 

O prefeito ainda enfatizou que o título deve ser usado de maneira perene pelas próximas gestões municipais. “Este é o reconhecimento de que daqui nasceu o Estado de Sergipe e seu povo. Recebemos com alegria e só reforça tudo aquilo que sempre almejamos: tornar esse termo algo para além do próprio município”.

 

A diretora presidente da Fundação de Cultura e Turismo João Bebe-Água (Fundact), Paola Santana explicou que o título terá peso na hora de divulgar a cidade em nichos turísticos e artísticos.

 

“Já usávamos esse termo em produções anteriores, para fundamentar a importância de nossa cidade. Com isto não estamos diminuindo a importância de Aracaju, enquanto capital sergipana, mas sim enaltecendo nossa cidade enquanto berço da população sergipana, da cultura, da arte e do turismo. São Cristóvão pertence ao seleto grupo de 15 localidades que possuem Patrimônio Cultural da Humanidade em seus espaços, temos uma arquitetura que é referência pro Brasil e para o mundo e temos que festejar estes e outros motivos. Temos que explorar isto, e divulgarmos que Sergipe nasceu daqui. Esse reconhecimento é algo bonito e significativo demais para ficar só no papel ou apenas em reconhecimento local. Como o prefeito gosta de dizer: pode até existir cidade tão bonita quanto, mas nenhuma é mais bonita que São Cristóvão, e nós iremos mostrar isso através do nosso trabalho em divulgar a cidade e suas belezas naturais e arquitetônicas”, finalizou Paola.

Paola Santana

 

Fotos: Dani Santos/Heitor Xavier/Arquivo Deputado Francisco Gualberto.


Texto escrito com contribuição da Assessoria de Comunicação do Dep. Francisco Gualberto.