Projeto Reconhecendo os Povos Tradicionais fará mapeamento on-line

12/05/2021 - 16:00 Atualizado há 16 horas



Se baseando em informações prévias, a Prefeitura de São Cristóvão, através do trabalho da Fundação de Arte, Cultura e Turismo João Bebe-Água (Fundatc), supõe que o município seja o local sergipano com maior concentração de terreiros de religiões de Matrizes Africanas. Neste contexto, o Projeto Reconhecendo Povos Tradicionais pretende mapear tanto os terreiros, quanto espaços indígenas além de parteiras e rezadeiras que morem e atuem dentro da cidade. Clicando aqui, os interessados terão acesso aos links com os formulários eletrônicos. 

Paola Santana

 

“Neste contexto, achamos que não existe em Sergipe um projeto de mapeamento que abranja de uma só vez tantos públicos assim, porém, se faz de fundamental importância darmos continuidade a esse projeto, que começou em 2019 e que vem, gradativamente, mapeando esses grupos. Inicialmente pensávamos só em mapear os componentes de religiões de Matrizes Africanas, mas após reuniões e novos entendimentos, compreendemos que se faz necessário incluirmos indígenas, benzedeiras e parteiras, sendo que estas pessoas contribuíram e contribuem culturalmente para a formação tanto da nossa cidade quanto do povo sancristovense”, explicou a diretora-presidenta da Fundact, Paola Santana.

 

 

Segundo a coordenadora municipal de promoção e igualdade racial, Acácia Maria Santos, as equipes já mapearam 48 terreiros instalados dentro da cidade, sendo que a perspectiva é que esse número dobre ou triplique ao final do projeto. “Presencialmente conseguimos catalogar esse 48 espaços. Sabemos que existem outros, e estão chegando cada dia mais novos terreiros aqui. Com o questionário virtual ficará mais fácil chegarmos a todos, inclusive já começamos a receber algumas respostas, pois o formulário eletrônico é de fácil preenchimento. Com esse formato on-line estamos fazendo o processo, sem contato físico, sem colocar ninguém em perigo de se contaminar com a covid-19”, informou.

Acácia Maria Santos

 

Entre outras perguntas, constam nos questionários espaços para preenchimento com nome, origem, endereço, filho (a) de quem, nação pertencente, conhecer a procedência do espaço físico (se é próprio, alugado ou cedido), entre outros dados. “Esse levantamento de dados servirá para diversos fatores, desde a assistência direcionada a cada publico até o incremento de políticas públicas direcionadas aos cadastrados. Agora é divulgarmos os questionários para que possamos mapear e reconhecermos essas pessoas enquanto moradoras de São Cristóvão”, finalizou Acácia.

 

Fotos: Arquivo Diretoria de Comunicação de São Cristóvão.