Projeto Farmácia Viva é apresentada à comunidade do povoado Aningas em São Cristóvão

22/03/2022 - 17:58 Atualizado há 5 horas



 

Na manhã desta terça (22) o Projeto Farmácia Viva foi apresentado à comunidade do Povoado Aningas, zona rural de São Cristóvão, com a proposta de promover uma primeira aproximação entre o Projeto, os trabalhadores da saúde e a comunidade local. O encontro aconteceu na antiga Escola Municipal de Educação Fundamental José Viana Neto, que está atualmente desativada e foi escolhida como local onde serão cultivadas as plantas medicinais do Projeto Farmácia Viva. Até o momento, está previsto serem cultivados o Boldo, Capim-santo, Babosa e Hortelã.

 

 

Julianna Salgado, Farmacêutica da Secretaria de Saúde de São Cristóvão apresenta o Projeto Farmácia Viva

 

“Realizamos a apresentação do Projeto Farmácia Viva para a comunidade do Povoado Aningas, destacando a importância de estimular o uso correto das plantas medicinais desde fase do cultivo até a produção, ofertando fitoterápicos seguros, eficazes e de qualidade, combinando os saberes científicos e tradicionais”, relata Julianna Salgado, Farmacêutica da Secretaria de Saúde de São Cristóvão.

 

 

 

 

O Projeto iniciou as atividades em janeiro de 2021 com o levantamento dos equipamentos e insumos necessários, reuniões de equipe, análise do solo para cultivo e análise da água para irrigação. O próximo passo será o plantio inicial de uma área de 34x12m, ou seja, cerca de 400 metros quadrados de área cultivável.

 

 

Engenheiro Agrônomo Emerson Nóbrega mostra onde será a estufa do Projeto

 

 

Para Maria Alexsandra, responsável pelo Centro Comunitário das Aningas, esse projeto vai ser muito viável na comunidade. “Tem gente que conhece as plantas medicinais, mas tem aqueles que são mais leigos. Com o Projeto e a experiência de quem vai fazer o trabalho, quem vem vai ter o cuidado de nos explicar como vai ser o uso dos medicamentos. Isso vai ser muito positivo para todos nós”, afirmou ela.

 

 

Maria Alexsandra, responsável pelo Centro Comunitário das Aningas

 

 

“O objetivo do encontro também foi explicar a importância das Equipes de Saúde da Família nos programas de Fitorerapia do SUS pois elas estão inseridas na comunidade, promovendo fortalecimento de vínculos, interações de saberes e o cuidado integral com a saúde”, completou Julianna Salgado, Farmacêutica da Secretaria de Saúde de São Cristóvão.

 

 

Estiveram presentes Técnicos da SMS, comunidade local, Agentes Comunitários de Saúde da UBS Parque Santa Rita, responsáveis pelo território e a professora Francilene Silva, do curso de Farmácia da UFS. “Este é um Projeto integrado no SUS e na atenção Primária, por isso preciso que a gente consiga interligar todos os atores. A própria política reconhece que as plantas medicinais têm um elo entre a comunidade e o sistema de saúde. É importante que eles se sintam parte da Farmácia Viva desde a concepção, o início, até a dispensa dos medicamentos”, afirmou a professora.

 

 

Professora Francilene Silva, do curso de Farmácia da UFS

 

“O saber tradicional que eles já fazem uso já é riquíssimo. A Farmácia Viva resgata isso e devolve para o usuário medicamentos com segurança, qualidade e eficácia sem abrir mão do saber tradicional”, complementou ela.  

 

O início do cultivo das plantas medicinais do Projeto (Boldo, Capim-santo, Hortelã-pimenta e a Babosa) será no mês de maio no terreno da Escola, e as etapas de beneficiamento, de produção e de distribuição das ervas medicinais para as Unidades Básicas de Saúde está prevista para setembro de 2022.

 

Área a ser cultivada