Projeto Explorar: Prefeitura de São Cristóvão mapeia locais do município que possuem potencial para o ecoturismo

12/03/2021 - 15:38 Atualizado há 50 segundos



A Prefeitura de São Cristóvão, por meio da Fundação de Cultura e Turismo João Bebe-Água (Fundact), está realizando o mapeamento de diversos locais do município que possuem potencial para exploração do ecoturismo. A ação faz parte do projeto “Explorar”, que busca identificar estes locais e torná-los propícios para a visitação de turistas, assim como apresentá-los para a população da cidade que ainda não os conhece.

 

O projeto teve início no último mês com as visitas técnicas realizadas nas ilhas de São Cristóvão. Nelas, a equipe da Fundact esteve acompanhada de representantes do Sindicato dos Guias de Turismo de Sergipe (Singtur) e da Secretaria de Estado do Turismo (Setur/SE), que serão parceiros na construção de um novo roteiro turístico.

 

 

Em continuidade a esse processo de visitas técnicas, a equipe da Fundact esteve ontem (11), em dois locais com potencial para exploração do turismo ecológico. A visita contou com o apoio dos técnicos do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) e da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsurb).

 

A primeira visita desta quinta-feira foi realizada no local conhecido como “Poço”, que fica nas proximidades da Avenida Lourival Batista. Na oportunidade, foi feito o recolhimento de amostras de água, para que seja verificado se o local é propício para banho. Em seguida, a equipe seguiu para a região conhecida como “Banho Morno”.

 

SAAE fará análise da água do local

 

“A ideia é fazer a limpeza e manutenção desses espaços, mas deixando eles de forma natural, sem nenhum tipo de intervenção como construções. Queremos dar toda a segurança para os trilheiros, fazendo a sinalização dessas trilhas e também evidenciar essas áreas inexploradas por grande parte da população, que ainda não conhecem as riquezas naturais da cidade”, explicou a diretora-presidenta da Fundact, Paola Santana.

 

Ainda segundo a diretora, também será feito um trabalho de sensibilização com a comunidade desses locais, para que eles possam se apropriar e cuidar dos espaços. “Nossa ideia é inserir a comunidade nesse processo, informar o que vai ser feito e pedir que eles colaborem no processo de conservação dos locais”, destacou.

 

Fotos: Dani Santos