Programa “Tá na Mesa” garante alimentação às famílias em situação de vulnerabilidade social no município

23/06/2022 - 15:34 Atualizado há 11 horas



Desde a sua implantação, em janeiro deste ano, o programa ‘Tá na Mesa’ tem cumprido um importante papel no que diz respeito à garantia de alimentação para as famílias do município que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Idealizado pela Prefeitura de São Cristóvão, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas), o programa realizou mais uma ação, com distribuição de cestas básicas nesta semana.

 

As atividades que ocorreram no Centro Histórico e no Lafayete Coutinho, na última segunda e quarta-feira, respectivamente, reuniram mais de 100 famílias que participaram de uma roda de conversa com as equipes dos Centros de Referência em Assistência Social. Na oportunidade, as famílias puderam tirar suas dúvidas em relação aos benefícios que podem ter direitos, como Cadastro Único, Auxílio Brasil, dentre outros. 

 

De acordo com a coordenadora do Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional (Cresan), Winnie Correia, as cestas são compostas por 16 alimentos básicos, como arroz, feijão, sardinha, leite, café, charque, dentre outros. Segundo a coordenadora, “uma vez sendo identificada a situação de vulnerabilidade dessas famílias, elas passam a ser acompanhadas pelo Cresan por pelo menos seis meses, e após esse período a família passa por uma nova avaliação para saber se a situação de vulnerabilidade e de insegurança alimentar foi superada ou não”, detalha.

 

Coordenadora do Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional (Cresan), Winnie Correia

 

Participando do programa há quatro meses, a dona de casa Tânia Maria Carneiro destaca a importância da iniciativa da Prefeitura em sua vida. “Essa é uma oportunidade não só para mim, mas para muitas famílias que também precisam. Me ajudou muito, meus filhos e minhas amigas também. Além disso, nós temos sempre atividades para participar, que também são muito boas”, apontou a moradora do Rosa Elze.

 

Tânia Maria Carneiro, integrante do Tá na Mesa

 

Também integrante do “Tá na Mesa” há quatro meses, Jaide Fernandes agradeceu ao município pelo benefício concedido. “Essa cesta básica ajuda muito as pessoas que estão desempregadas, que estão passando dificuldades. Tem sido excelente, não só pela cesta, mas também pelos serviços que acompanham. Tivemos dentistas, médicos, nutricionistas, palestrantes de outras áreas para dar informações. Muitas vezes nos sentimos excluídos por conta da situação difícil que passamos, mas quando chegamos aqui nos sentimos acolhidos. Só tenho a agradecer”, declarou. 



Jaide Fernandes, integrante do programa há quatro meses

 

Doação

 

Além das tradicionais cestas básicas que são ofertadas mensalmente, as famílias também receberam produtos típicos do período junino, como macaxeira, laranja, coco e milho. Estes alimentos foram fruto de doação do agricultor José Pereira, que disponibilizou 500 espigas de milho. Os outros alimentos foram doados pelo Programa Alimenta Brasil Estadual (PAB).

 

O programa

 

Criado em decorrência dos efeitos sociais causados pela pandemia e visa atender as famílias cadastradas por um período inicial de seis meses. O objetivo é ir além da entrega de cestas básicas, por isso, além dos critérios para a inserção no programa, existem outros que exigem a participação efetiva destas famílias em todas as atividades do programa que serão promovidas pela Semast, que incluem oficinas de reaproveitamento e reutilização dos alimentos, economia doméstica, ações voltadas para a saúde, e oficinas focadas na geração de emprego e renda para que estas famílias superem a situação de vulnerabilidade.

 

 

Critérios para inserção no Programa

 

O Programa Tá na Mesa é voltado para famílias que vivem em estado de vulnerabilidade social e em situação de insegurança alimentar. Isso envolve famílias que tenham pessoas com alguma comorbidade, deficiência, idosos ou gestantes, cuja necessidade de uma alimentação especial é maior. Além disso, para ter acesso ao programa, é preciso atender às seguintes condições: possuir renda familiar per capta de até ¼ de um salário mínimo nacional; residir em São Cristóvão; estar cadastrado no CADÚNICO.

 

Fotos: Heitor Xavier