Prefeitura de São Cristóvão disponibiliza prédio para funcionamento da “Cozinha Solidária”

29/11/2021 - 18:32 Atualizado há 3 horas



Instalada no município de São Cristóvão em julho deste ano, a “Cozinha Solidária Danielle Bispo” ganhará uma nova sede. Isto porque, na manhã desta segunda-feira (29), o prefeito Marcos Santana sancionou a Lei N.º 532 /2021 que autoriza a cessão de um prédio público para o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto de Sergipe (MTST/SE), responsável pelo projeto de distribuição de refeições às famílias em situação de invisibilidade e insegurança alimentar.

 

O diálogo para a implantação da Cozinha Solidária começou no início de 2021, onde, após receber representantes do MTST, o prefeito Marcos Santana determinou que fossem tomadas todas as providências necessárias para que se efetivasse uma parceria com a gestão no sentido de se viabilizar a instalação do projeto em São Cristóvão.

 

Inicialmente, foi possível garantir a instalação provisória com o apoio do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR), enquanto se desenvolviam as medidas legais e administrativas para a cessão de um prédio com as condições ideais, após as devidas adequações na estrutura e instalações.

 

Após a aprovação da Câmara de Vereadores ao Projeto de Lei de iniciativa do Poder Executivo, autorizando a cessão de uso do prédio do município, e após a sanção da Lei nesta segunda, a Cozinha Solidária passará a funcionar na Rua Marechal Deodoro, nº 45, antiga sede da Secretaria da Fazenda (Centro da Cidade). O documento de cessão é válido por 20 anos, sendo renovável por mais 20.

 

Para o prefeito Marcos Santana, a atitude de ceder o prédio para o Movimento é algo que vai ficar marcado na sua gestão. “Poucas vezes nesses cinco anos que estou à frente do governo municipal me senti tão gratificado como me sinto agora. Hoje, uso da autoridade que me foi dada pelo povo de São Cristóvão para ceder um bem público para um movimento que trabalha para e pelo povo, que possui uma iniciativa importantíssima em nosso município”, declarou o gestor.

 

Marcos Santana, prefeito de São Cristóvão

 

A procuradora geral do município, Aline Magna, explicou que o documento de cessão é válido por 20 anos, sendo renovável por mais 20. “Esse é um prédio que é público e que estava subutilizado. O pessoal da cozinha solidária se comprometeu a fazer junto à Prefeitura a reestruturação de um espaço que é estratégico para o Movimento, já que é um local que fica próximo aos fornecedores e das pessoas em situação de vulnerabilidade”, apontou.

 

Aline Magna, procuradora 

 

Cozinhas Solidárias

 

Criado a partir de uma rede de solidariedade e afeto frente à situação do país no que diz respeito à fome que se intensificou durante a pandemia, o projeto Cozinha Solidárias vem distribuindo em São Cristóvão diariamente e gratuitamente 100 refeições desde sua instalação. Funcionando de segunda a sexta, a iniciativa é voltada para famílias em situação de invisibilidade e insegurança alimentar.

 

Membro da coordenação nacional do MTST, Ramon Andrade, destacou que atualmente 30% da população brasileira se encontra em situação de insegurança alimentar, e através do projeto que já possui 22 unidades espalhadas pelo país, o Movimento tem buscado levar dignidade às famílias com comida na mesa. Para ele, o apoio do poder público é fundamental. “Ter essa parceria com a Prefeitura vai colocar o nosso projeto em outro patamar. Ter um prédio na região central da cidade, onde poderemos desenvolver nossas atividades nos deixa muito feliz, com a certeza de que o projeto vai ter sucesso”, explicou.

 

Ramon Andrade, MTST

 

A presidente do STR e do Conselho de Segurança Alimentar de São Cristóvão, Maria do Carmo Batista, reforçou a importância do apoio da Prefeitura. “Quando vemos que o prefeito se sensibiliza, e que através de uma Lei consegue ceder um espaço, para gente isso é um fortalecimento da ação que já vem dando certo. Vai ser muito bom para as pessoas que trabalham nesse espaço e para a população que será beneficiada”, acrescentou.

 

Já a secretária de assistência social e do trabalho, Lucianne Rocha, a iniciativa Cozinha Solidária tem contribuído com a comunidade sancristovense. “Todas as ações voltadas ao campo da segurança alimentar é de extrema valia, então quanto mais iniciativas a gente tiver de ações que venham a contribuir com a redução da insegurança alimentar da população é importante”, finalizou.

 

Fotos: Heitor Xavier