Parceria da SMTT com a PRF leva educação para o trânsito aos alunos da rede municipal

22/04/2022 - 13:43 Atualizado há 1 dia



A Superintendência de Trânsito e Transporte de São Cristóvão (SMTT-SC), em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), realizou na última quarta-feira (20) mais uma reunião do programa Educar PRF, com o objetivo de abordar o tema educação no trânsito para os professores da rede municipal de ensino, que terão a missão de incutir em seus alunos a importância do respeito ao Código de Trânsito Brasileiro (CTB). O projeto terá início a partir do dia 02 de maio e irá até setembro, com uma culminância que ocorrerá no mês de outubro, cujo local e formato serão definidos pela equipe da educação.

 

O projeto é desenvolvido pela PRF há nove anos e a Secretaria Municipal de Educação (Semed), por acreditar na iniciativa, fez de São Cristóvão a primeira cidade de Sergipe a envolver todas as escolas da rede municipal, com o intuito de conscientizar o maior número de alunos sobre a importância e o dever de assumir atitudes seguras no trânsito. Tudo isso para que seja promovida a segurança, o respeito e a cidadania.

 

O Projeto Educar PRF terá início a partir do dia 02 de maio até setembro

 

De acordo com Maria, chefe substituta do setor de operações do Grupo de Educação Para o Trânsito (Getran), a demanda veio para São Cristóvão em decorrência do alto índice de acidentes, inclusive fatais, dado que faz do município o quinto colocado no estado de Sergipe. “Por isso a preocupação de inserirmos a educação para o trânsito no âmbito escolar, para educarmos estas crianças para que promovam mudanças no trânsito. A ideia é que os professores levem esses ensinamentos de forma transdisciplinar e para isso fornecemos todo material, inclusive já temos planos de aula prontos, porém, sempre respeitando a criatividade dos profissionais”, explicou.

 

Maria, chefe substituta do setor de operações do Grupo de Educação Para o Trânsito (Getran)

 

A coordenadora de educação para o trânsito da SMTT, Roseleny Oliveira do Espírito Santo, reforça a preocupação com os dados trazidos pela PRF, a respeito do índice de acidentes no município.  “Temos presenciado vítimas fatais no município de São Cristóvão e esse projeto veio com a intenção de somarmos força. Em uma palestra nós conseguimos sensibilizar o público, mas entendemos que trabalhar com professores em sala de aula, resulte em uma conscientização maior e a consequente redução de acidentes. O projeto não altera a rotina do professor em sala de aula, mas irá agregar no conteúdo que ele irá desenvolver”, pontuou.

 

Roseleny Oliveira do Espírito Santo, coordenadora de educação parte o trânsito da SMTT

 

Ainda de acordo com a coordenadora, através desse trabalho a SMTT irá melhorar a sinalização em locais necessários, através da identificação dos alunos. “Além de fortalecer essa conscientização de um modo geral e fazer do professor o proliferador desse tema, estaremos atentos à realidade dos alunos e às necessidades do seu entorno e a partir dessas informações, daremos todo o suporte necessário, para que possamos estimular o máximo a melhoria do comportamento no trânsito”, enfatizou Roseleny.

 

Para Analine Soares, coordenadora de formação da Semed, “o trânsito faz parte da educação e nós professores somos os agentes multiplicadores e precisamos passar essas informações para os nossos alunos. Nós que estamos lidando diretamente com eles, iremos multiplicar todo o conhecimento transmitido através da SMTT e PRF, de maneira didática, para que eles façam o mesmo em casa e levem para a vida”, salientou.

 

Analine Soares, coordenadora de formação da Semed

 

Andrey Louzada, formador de língua portuguesa da Semed, enfatizou o poder transformador da educação na vida dos alunos e elogiou a iniciativa. “A educação transforma e quando vislumbramos ações dessa natureza para crianças, elas acabam contagiando os lugares em que ocupam, seja o ambiente familiar ou o seu entorno. Ações como esta são de suma importância, pois estes alunos vão crescer cidadãos que estarão no trânsito, habilitados, conduzindo os seus veículos ou como pedestres, já conscientes da conduta adequada. Logo, levar essa temática para a sala de aula é uma oportunidade de construir sentido e de fazer com que essas crianças se tornem pessoas conscientes das suas atribuições”, destacou.

 

Andrey Louzada, formador de língua portuguesa da Semed

 

Fotos: Dani Santos