Parceria da Prefeitura e Consbaju junto ao MPF garante equipamentos e recursos para Associação de Catadores do Loteamento Lauro Rocha

18/11/2022 - 16:12 Atualizado há 10 horas



Na manhã desta sexta-feira (18), o Prefeito de São Cristóvão, Marcos Santana, junto a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) participaram da entrega de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e da assinatura de contrato de parceria com a Associação de Catadores do Loteamento Lauro Rocha. O momento contou também com a presença de representantes do Consórcio de Saneamento Básico da Região da Grande Aracaju (Conbsbaju), do Ministério Público do Trabalho (MPT-SE), Deso, do secretário de infraestrutura, Júlio Nascimento Júnior, e do vereador Marcus Lázaro. 

 

O trabalho conjunto da Prefeitura, MPT e o Consbaju garantiu recursos para o auxílio dos catadores da região do Loteamento Lauro Rocha na ordem de R$ 100 mil. Esse valor foi utilizado para compra de equipamentos como balança, elevadores, máquina, carrinhos de transporte, computador, mesa de separação, além de vestimentas para ajudar no dia a dia dos profissionais. 

 

 

 

O Prefeito Marcos Santana aproveitou o momento para agradecer o MPT e o Consbaju por atender os catadores locais e destacou a necessidade da Prefeitura em efetivar um trabalho de educação ambiental para conscientização da população sancristovense. “Vocês (catadores) têm o trabalho mais importante de todos que é tornar uma cidade limpa e por isso eu agradeço sobretudo ao trabalho de vocês, porque o que está sendo feito aqui hoje está dando as melhores condições para que possam executar o seu ofício sem a possibilidade de se cortar ou de pegar alguma doença, e nós estamos fazendo a nossa parte em discutir a educação ambiental com a população”, ressaltou. 

 

Prefeito Marcos Santana

 

Segundo o procurador do trabalho do MPT, Emerson Albuquerque, essa ação também faz parte de um projeto estadual para melhoria dos catadores de todos os estados sergipanos. “Isso que está sendo feito aqui é uma soma porque nós acreditamos no trabalho de vocês e é algo que precisa ser mais valorizado, e por consequência vai melhorar a cidade, passando uma imagem de cidade civilizada, limpa, que tem coleta seletiva e que não deixa voltar lixo para o meio ambiente”, disse. 

 

Emerson Albuquerque, procurador do trabalho do MPT

 

Durante a sua fala o superintendente do Consbaju, Evaldino Calazans, elogiou o trabalho feito pela gestão e adicionou que os catadores também irão ajudar na coleta seletiva na 37ª edição do Festival de Artes de São Cristóvão (FASC). “Será uma parceria histórica, o primeiro FASC que há uma coleta seletiva. A Associação de Catadores estará presente ajudando e conscientizando os visitantes em ajudar o meio ambiente e a fazer o descarte correto dos materiais”, acrescentou.

 

Evaldino Calazans, superintendente da Consbaju

 

Assinatura de contrato

 

Durante a atividade, também foi realizada a assinatura de contrato que tem como objetivo dar suporte aos catadores do município, como explica o secretário de meio ambiente, Edmilson Brito. “A ideia é de condicionar uma quantidade de arrecadação de pelo menos 1500 kg de material reciclável por três para receber em troca um suporte de R$ 2 mil pela Semma para ajudar no pagamento de aluguel da sede, transporte de material, energia, pequenos reparos, dentre outros serviços. A partir disso, junto ao Projeto Reciclando da secretaria que está em fase de implementação, será o nosso suporte que irá garantir que aconteça verdadeiramente o Programa Cidade Mãe Sustentável ”, explicou. 

 

Edmilson Brito, secretário de meio ambiente

 

Opinião dos catadores

 

A presidenta da Associação de Catadores do Loteamento Lauro Rocha, Daniele Lourenço Pinto, diz que esperou anos para ver esse momento acontecer. “Antigamente não catavamos nas ruas e sim nas lixeiras. Quando a lixeira daqui fechou, nós resolvemos ir por conta própria de carrinho de mão, sem farda e recolher para sustentar nossa família. Hoje com a ajuda da Prefeitura e do Consórcio poderemos continuar o nosso trabalho com dignidade e muito carinho”, finalizou.

 

Daniele Lourenço Pinto, presidente da Associação de Catadores do Lotamento Lauro Rocha

 

A mãe de Daniele, Maria Damiana Pinto, também é catadora e agradeceu aos envolvidos por olharem para o trabalho dos catadores. “No começo nós trabalhávamos sem equipamento, no sacrifício. Agora nós temos nossa balança, máquina, elevador, estamos mais produzidos do que antes. A nossa realidade melhorou 100%”, concluiu.

 

Maria Damiana Pinto, catadora

 

Fotos: Dani Santos