Oficina de Desenho Criativo integra a programação dos 12 anos da chancela da Praça São Francisco

05/08/2022 - 17:41 Atualizado há 2 horas



A oficina de Desenhos Criativos faz parte da programação do aniversário de 12 anos do título de Patrimônio Cultural da Humanidade da Praça São Francisco, que ocorreu no primeiro dia deste mês. Além dessa atividade, a Prefeitura, através da Fundação Municipal de Cultura e Turismo (Functur), elaborou uma vasta programação que iniciou na última quarta-feira (03), com a abertura da exposição “Praça da Humanidade”, no Museu de Arte Sacra e irá finalizar nesta sexta-feira (05) com apresentações variadas.

 

Oficina de Desenho Criativo

 

Por dois dias o evento teve a participação do artista plástico e sancristovense Gladston Barroso, pois a oficina iniciou na quinta-feira (04) e finalizou na sexta-feira (05), na Biblioteca Lourival Baptista. “Eu desenho há 27 anos e há 12 eu participo das atividades de celebração da Praça São Francisco como patrimônio da humanidade. Esta Praça faz parte das minhas memórias e da minha rotina, é um lugar que traz paz e inspiração pra minha arte. E eu estou lisonjeado por fazer parte desse evento, principalmente por estar fazendo algo que eu me identifico que é desenhar e ensinar”, afirmou.   

 

Gladston Barroso, artista plástica

 

Juli Silva Nunes, estudante, soube da oficina através da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e não hesitou em vir da capital e fazer parte, já que possui uma grande afinidade com esse segmento artístico. “Assim que eu fiquei sabendo da oficina não tive dúvidas de que iria participar. É muito importante a gente estimular o lado artístico, ter contato com novas técnicas e aperfeiçoar esse hobby. Além disso, tem o aniversário da chancela da Praça, local em que aconteceu o meu primeiro contato com a cidade através do Festival de Artes de São Cristóvão (FASC). Estou feliz pelo aprendizado e por me remeter a tantas recordações boas”, frisou.

 

Juli Silva Nunes, estudante

 

Natural de São Cristóvão, a escritora Cláudia Barreto falou sobre superação de desafios, além de relatar sua felicidade por fazer parte dessa comemoração e por ter um conterrâneo como professor.  “Mesmo sofrendo de visão baixa, não vi motivos para não participar dessas aulas, pelo contrário, este será mais um desafio superado, principalmente porque tenho o propósito de desenhar as capas dos meus livros. Estar aqui representa muito para mim, por ser aluna de desenho de um sancristovense e por ser o aniversário da chancela da Praça”, destacou.

 

Cláudia Barreto, peedagoga e escritora

 

Para Rafaela Pereira, coordenadora da Biblioteca, nada mais justo do que inserir uma das atividades de comemoração na Biblioteca. “Nós fizemos uma espécie de histórico dessa Biblioteca e descobrimos que ela sempre fez parte desse conjunto arquitetônico que é a Praça São Francisco, portanto, nada mais justo do que comemorar a chancela da Praça utilizando também o espaço da Biblioteca, que sempre se localizou neste lugar, além de ter alunos de São Cristóvão recebendo aulas de desenho de um artista local. Tudo isso é muito simbólico e só ressalta a valorização do que é de fato nosso”, explicou.

 

Rafaela Pereira, coordenadora da Biblioteca Municipal Lourival Baptista

 

A programação

 

Além da oficina de Desenhos Criativos, ainda hoje (05) a Praça São Francisco apresenta oficina de Xilogravura; exposição de sergipanidades e atividade de pintura; apresentações de dança, samba, quinteto de sopro, grupo musical e mais uma edição da Feira São Criativos, que ocorrerá das 16h às 21h.

 

A Praça

 

 A Praça São Francisco é um conjunto arquitetônico e único exemplar no Brasil que se constitui como um assentamento urbano que representa a fusão do modelo urbanístico usado por Espanha e Portugal. Ou seja, testemunho único do período de união das duas, entre 1580 e 1640.

 

Praça São Francisco, Patrimônio Cultural da Humanidade, pela Unesco

 

Ela se constitui de um espaço quadrilátero composto de edifícios públicos e privado como a Igreja e o convento São Francisco. Ao se tornar patrimônio em nível global, tanto pelo seu valor histórico como sociocultural, a praça se configura como lugar de memória coletiva para os moradores, bem como local com potencialidades para o desenvolvimento do turismo, a exemplo de outros sítios históricos espalhados pelos cinco continentes.

 

Fotos: Dani Santos