Exposições completam programação dos 11 anos da Chancela da Praça São Francisco

03/08/2021 - 14:28 Atualizado há 1 dia



Foram abertas na manhã de ontem (02), três exposições no Museu Histórico de Sergipe que integram a programação dos 11 anos da Chancela da Praça São Francisco. “Intituladas Ikê Maré do Artista”, “Um olhar sobre a performance da capoeira” e XII Mostra de Artes Visuais dos acadêmicos da Universidade Federal de Sergipe (UFS), as exposições permanecem disponíveis para visitação do público até dia 30 deste mês.

 

Na abertura do evento, o prefeito Marcos Santana falou sobre a importância da Praça São Francisco, reforçando o papel de Marcelo Deda, que foi o responsável por levar a candidatura do monumento à Unesco. O gestor também destacou que a população deve se apropriar deste espaço do município. “Esse é um momento muito singular e que fala muito sobre o que é a Praça. Ela não tem que ser um espaço morto, mas sim um espaço onde as pessoas vivam. Ela não pode ser envolvida em uma bolha. É fundamental garantir a preservação, manutenção, mas também a ocupação do povo na Praça”, afirmou o gestor.

 

Marcos Santana, prefeito de São Cristóvão

 

A Presidente da Fundação de Cultura e Arte Aperipê, Conceição Vieira, afirmou que potencializar a arte e a cultura de Sergipe é a melhor maneira de celebrar a Chancela da Praça São Francisco. “Parabenizo o prefeito Marcos Santana pela gestão e lembrança sempre constante do fortalecimento da identidade de ser sergipano, de São Cristóvão como primeira capital, e da ideia que precisamos preservar parte do patrimônio mundial que é a Praça São Francisco. Parabenizo também a todos os artistas que estão expondo a arte da nossa terra aqui no Museu de Sergipe”, declarou a presidente.

 

Conceição Vieira, presidente da Funcap

 

Artista plástico responsável pela mostra “Um olhar sobre a performance da capoeira”,  Wécio Gril falou sobre a emoção em estar expondo suas obras no Museu Histórico. “A emoção vem de muita luta, de muita batalha que a gente construiu nestes seis anos na Mostra de Artes aqui no Museu, e hoje poder vir com o com essa exposição, com o companheiro Julico que está conosco desde o início. Hoje estamos aqui, no meio deste caos que é a pandemia, conseguindo estar junto e colocar a Mostra de Artes mais uma vez aqui é o que acaba nos emocionando”, declarou o artista.

 

Wécio Gril, artista

 

Representando os alunos do curso de Artes Visuais da Universidade Federal de Sergipe, Luan Dias agradeceu a valorização dos estudantes através de ações como a Mostra de Artes Visuais. “Essa é uma exposição que abre portas para que esses estudantes possam fluir dentro das artes plásticas. É muito importante esse incentivo”, declarou. 

 

Luan Dias, artista

 

A programação contou ainda com a participação musical do cantor e compositor Giló Santana.

 

Homenagem

 

O evento, ainda, homenageou o ex-diretor do Museu Histórico de Sergipe, Sergio Lacerda, que faleceu em decorrência da Covid-19 em junho deste ano.

 

Na oportunidade, o artista Wendel Campos entregou ao filho de Sérgio Lacerda, Yvison Murilo Pereira, um quadro que retrata o ex-diretor do Museu. Segundo o artista, “o retrato é algo que mexe muito com a emoção. Sérgio teve uma importância muito grande para os artistas, sempre dando espaço para nós, e é sempre gratificante produzir algo que mexa com a pessoa, que faça sorrir ou chorar, mas que acima de tudo faça ela se sentir viva nesse momento que o país está passando”, afirmou Wendel.

 

Wendel Campos, artista responsável pela obra que retrata Sérgio Lacerda

 

Ao receber o retrato do seu pai, Yvison Murilo destacou que “é gratificante ver que toda a população sancristovense e as pessoas que fizeram parte do círculo de trabalho dele reconhecem o que ele fez e o que ele proporcionava à cultura de São Cristóvão nos 36 anos que ele residiu aqui”.

 

Yvison Murilo, filho de Sérgio Lacerda

 

Fotos: Heitor Xavier