Exposição ‘Linhas de São Cristóvão’ acontece até 28 de abril no IPHAN

18/04/2022 - 16:43 Atualizado há 5 horas



Segue aberta ao público até o dia 28 de abril, na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a exposição coletiva ‘Linhas de São Cristóvão’. A ação é proporcionada pelo último edital da Lei Aldir Blanc e busca apresentar obras de artistas têxteis contemporâneos da Cidade Mãe de Sergipe.

 

 

 

De acordo com John Eldon, artesão e um dos responsáveis pela exposição, o projeto homônimo surgiu a partir da Coletiva Crocrê-te-ando, formada por um grupo de artesãos sancristovenses que promovem estratégias de economia criativa através do empreendedorismo cultural. “O objetivo do ‘Linhas de São Cristóvão’ é dar visibilidade aos projetos que são feitos pelos artistas e artesãos locais, mas também possibilitar o intercâmbio cultural a partir de poéticas têxteis”, disse.

 

O artesão destacou a importância da Casa da Costura Zona Zil, espaço da Prefeitura de São Cristóvão que permitiu a realização dos trabalhos expostos na mostra e da Lei Aldir Blanc como recurso fundamental no custeamento dos materiais e artistas envolvidos. “Isso é importantíssimo porque é uma forma de reconhecimento e de legitimação desse trabalho sensível que representa a subjetividade política de mulheres que ocupam espaços na cidade”, explica.

 

John Eldon, artesão e um dos envolvidos no projeto

 

Para a diretora de cultura da Fundação Municipal de Cultura e Turismo João Bebe-Água (Fumctur), Elma Santos, é sempre positivo ver projetos da Lei Aldir Blanc dando continuidade, pois isso mostra que as pessoas envolvidas continuam se reunindo e desenvolvendo atividades dentro do que produzem. “Essa exposição que está acontecendo aqui é uma expansão dessa atividade e está se tornando um projeto mesmo. Eles já fizeram vídeo-exposições, outras exposições, levaram o trabalho a nível internacional, então é muito bom ver isso”, comenta.

 

Elma Santos, diretora de cultura da Fumctur

 

Criação artística

 

A ação também faz parte do projeto de extensão da Universidade Federal de Sergipe (UFS), ‘Linhas e Desalinhos de São Cristóvão’, coordenado pela professora do departamento de artes visuais, Rosane Soares, que também promoveu atividades junto à Prefeitura, fomentando questões socioeducativas e econômicas no campo da arte. As atividades foram realizadas na Casa da Costura Dona Zil.

 

 

 

Segundo Neusa Malheiros, responsável pela Diretoria Municipal de Trabalho da Semast, a Casa da Costura foi importante para as alunas envolvidas nas oficinas relacionadas ao projeto, oferecendo um impacto significativo no ponto de vista da arte têxtil. “A costura artesanal, o crochê, a pintura e o bordado são técnicas que, nesse projeto, ganham um significado profundo enquanto expressão artística que traz nos fios e nas tramas a possibilidade e a potencialidade das histórias de vida de um grupo de pessoas, em sua maioria mulheres, que se encantaram através da criatividade individual e coletiva”, finaliza Neusa Malheiros.

 

Neusa Malheiros, responsável pela Diretoria Municipal de Trabalho da Semast

 

A exposição ‘Linhas de São Cristóvão’ permanece aberta à visitação até o dia 28 de abril, no Casarão do IPHAN - São Cristóvão, com horário de funcionamento das 8h às 12h e das 14h às 17h, de terça a domingo.

 

 

Fotos: Dani Santos, Yago de Andrade