Educação Municipal de São Cristóvão é destaque no Índice de Eficiência do MPC/SE

26/08/2021 - 15:48 Atualizado há 4 dias



Se classificando como uma das cidades sergipanas com melhor Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2019, com nota 5, São Cristóvão foi também reconhecida pelo Ministério Público de Contas do Estado de Sergipe (MPC/SE) como a segunda cidade do Estado a pontuar no Índice de Eficiência Educacional – indicativo este que avalia os municípios sergipanos, a partir da nota do IDEB e outros motes avaliativos.

 

O MPC/SE é um órgão, constitucionalmente, voltado para o controle das políticas, e vem desde 2018 medindo tanto a proficiência dos municípios em relação ao IDEB, quanto o gasto municipal por aluno (no âmbito do ensino fundamental). Em relatório divulgado consta que a avaliação do Índice de Eficiência Educacional parte do cálculo do índice do IDEB médio de cada município (resultado das notas dos IDEBs anos iniciais e finais), dividindo este valor pelo custo-aluno do mesmo município no ensino fundamental.

 

Desta forma, o custo-aluno, que é calculo pela divisão entre o gasto municipal no ensino fundamental e o número de matrículas naquela mesma etapa de ensino, expõe assim o resultado final do Índice de Eficiência Educacional no estado. Ou seja, o Índice de Eficiência Educacional representa exatamente quanto cada ponto de IDEB custa em reais, por aluno. Assim, quanto maior o IDEB médio do município, melhor será a colocação no Índice de Eficiência Educacional, e melhor a qualidade/resultado do gasto público.

 

Na sequência das classificações no Índice de Eficiência Educacional, a cidade de Itabaianinha ficou com nota 100, vindo na sequência São Cristóvão com nota 85, sendo seguida por Moita Bonita (78,2), Areia Branca (74), Tomar do Geru (69,4), Itabaiana (67,8), Macambira (67), Ilha das Flores (66,67), Cristinápolis (65,8) e São Domingos (63,6).

 

“O Índice de Eficiência Educacional é um metodologia criada pelo Ministério Público de Contas do Estado de Sergipe que faz a relação custo/aluno por ano e a nota do IDEB, onde o município que gasta xis valor e obtém um resultado de aprendizado do aluno levando em conta a diferença entre as cidades para esse investimento e o nível educacional. Por exemplo, São Cristóvão gasta em média seis mil reais por ano, por alunos, e nosso empenho no Índice de Eficiência Educacional foi excepcional pois ficamos em segundo lugar. Então se levarmos em consideração que algumas cidades gastam mais de 13 mil/ano por aluno, e ainda em que pese este valor ser alto, o mesmo não se reverte em desempenho escolar (IDEB), a nossa cidade acabou por ficar numa melhor colocação justamente por reunir investimento municipal e diversas ações em prol da educação de nossas crianças e adolescentes. Ao final, um nivel educacional bom vem de uma soma de fatores”, explicou a secretária municipal de educação, Quitéria de Barros.

 

Quitéria também pontuou que essa avaliação do MPC de Sergipe se torna única, visto que está se convertendo em referência para o restante do Brasil. “Essa é uma das experiências que vem sendo implantada no restante do Brasil a partir do MPC/SE, o que acaba levando o nome de São Cristóvão para outros estados também, como parte do exemplo do Índice de Eficiência Educacional em Sergipe como um parâmetro a ser copiado”, finalizou Quitéria.

Quitéria de Barros

 

 

 

Foto: Dani Santos.