Diante do aumento de casos servidores da saúde fazem apelo para que a população de São Cristóvão  siga as recomendações sanitárias

12/01/2021 - 13:12 Atualizado há 4 dias



 

Luciana Porto, técnica de enfermagem da Unidade de Emergência 24h do bairro Eduardo Gomes tem atendido cada vez mais pacientes com sintomas gripais e afirma que a população precisa se alertar o mais rápido possível, pois há aqueles que conseguem vencer a doença, e há aqueles que não resistem ao vírus.

 

 

Luciana Porto, técnica de enfermagem da Unidade de Emergência 24h do bairro Eduardo Gomes

 

 

“O número de casos aumentou bastante. Este mês de janeiro, aumentou consideravelmente, talvez pelas aglomerações de final de ano. Por isso, pedimos a população, encarecidamente, porque isso não é brincadeira. Os índices estão aumentando. Tem pessoas que resistem, tem pessoas que não resistem”, afirma Luciana.

 

“Estamos aqui para ajudar a população, estamos aqui dia e noite,  o atendimento está aberto 24 horas. Peço que tenham consciência, lavem as mãos, não saiam com suas crianças, não saia com a família toda para fazer compras e quando chegar em casa tenham os devidos cuidados”, reforça ela.

 

Unidade de referência 24h no Eduardo Gomes 

 

A técnica em enfermagem e toda a equipe de profissionais da saúde da linha de frente de São Cristóvão acompanham o crescimento do número de casos na cidade com preocupação. O município bateu, pela segunda vez consecutiva, o triste recorde de maior número de novos casos em uma única semana desde o início da pandemia. A segunda onda atingiu fortemente a população da cidade, fazendo com que o gráfico de casos confirmados crescesse significativamente.

 

 

Foram registrados nos últimos sete dias 382 casos novos no município, o que representa um aumento de 47,49% na média móvel de casos novos em relação à semana anterior, que registrou 259 casos. Enquanto os números sobem, os profissionais de saúde da linha de frente continuam firmes. Médicos(as), enfermeiros(as), técnicos(as) de enfermagem, todos tem sentido o impacto da segunda onda,  pois junto ao aumento de casos, cresce também a procura dos pacientes, de crianças a idosos que buscam atendimento nas unidades de saúde do município.

 

“Já estamos em janeiro de 2021, há quase um ano estamos vivemos essa pandemia e infelizmente ela não acabou. Ainda continuamos aqui trabalhando arduamente, sem descanso. A pandemia para o profissional de saúde nunca teve pausa. Continuamos trabalhando diariamente, integralmente, com finais de semana e feriados perdidos em prol de dar a nossa assistência à comunidade”, afirma Camila Freire, gerente da Unidade 24h do Eduardo Gomes.

 

 

Camila Freire, gerente da Unidade 24h do Eduardo Gomes

 

 

“Os números estão aumentando e a equipe de saúde tem de estar sempre de prontidão, como um grande exército da saúde, que tem de estar apto a atender a sua população, independente se está cansado fisicamente ou mentalmente. Se conscientizem para que a pandemia não venha com números ainda mais alarmantes”, enfatiza Camila.

 

Para ela, o maior receio agora é reviver os piores dias da pandemia, que para ela e a equipe da linha de frente, foi em meados de março de 2020. “Meu receio é que a gente viva tudo o que a gente viveu nos semestres passados, com pessoas gravemente internadas precisando de cuidados mais intensivos. Por isso, por nós, profissionais de saúde, fique em casa, por favor”, reforça. 

 

 

Aumento dos casos

 

O aumento de casos tem acompanhado a dinâmica da pandemia em nível estadual: foram 7.909 casos novos em Sergipe na última semana. Esses números demonstram que tanto São Cristóvão como Sergipe seguem em crescimento significativo na incidência/média móvel de casos novos da COVID-19.

 

O boletim diário do dia 10 de janeiro registrou 316 casos confirmados ativos/em monitoramento em São Cristóvão e o último levantamento de suspeitos mostrou 844 casos ativos. Vale lembrar que em setembro (17/09) foram registrados apenas 19 casos confirmados ativos/em monitoramento. Isso mostra que o município apresenta atualmente um número considerável de pessoas que estão transmitindo o vírus.

 

Para o enfermeiro Victor Rodrigues, gerente da UBS Maria José Figueroa, é preciso que todos façam sua parte urgentemente.  “Estamos com o número alarmante, crescente a cada dia, um número muito maior que a primeira onda. Desde de janeiro a gente vê esse boom de casos, aumento as demandas da Unidade”, afirma o gerente.

 

 

Victor Rodrigues, gerente da UBS Maria José Figueroa, no Eduardo Gomes

 

 

 “Temos que tentar ao máximo conter isso, cada um fazendo sua parte. Continuam o número de casos e de mortes, e sabemos que a pandemia não acabou. Por mais que pareça, por mais que as pessoas estejam levando a vida normal, precisamos estar em estado de alerta para tentar reverter essa situação”, alerta Victor.

 

Diante desse cenário, a secretaria de saúde reforça o apelo: não vá a lugares lotados, lave as mãos freqüentemente, use máscara o tempo todo e, se puder, fique em casa. Acesse o portal coronavirussaocristovao.net para mais informações sobre a pandemia em São Cristóvão.

 

Fotos: Dani Santos