Beneficiários do Programa “Tá na Mesa” aprendem sobre grau de processamento dos alimentos

21/09/2022 - 16:58 Atualizado há 3 horas



Na tarde da última terça-feira (20) pessoas de São Cristóvão beneficiadas pelo Programa “Tá na Mesa” assistiram a uma palestra sobre grau de processamento dos alimentos e participaram de atividades práticas sobre quais alimentos privilegiar e quais evitar.

 

Victória Dayane (UFS) falando sobre processamento de alimentos

A equipe da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) em parceria com o Observatório de Segurança Alimentar e Nutricional da Universidade Federal de Sergipe (UFS) realizou a atividade no Salão dos Carmelitas no Centro Histórico. A estudante de nutrição da UFS e membro do Observatório, Victória Dayane Santos Silva explicou aos presentes que os alimentos são divididos em quatro grupos: 1) in natura e minimamente processados (frutas, verduras, leite, arroz, feijão etc.); 2) condimentos/temperos (sal, açúcar, açafrão etc.); 3) processados (sardinha, milho em conserva etc.) e; 4) ultra processados (miojo, refrigerante, salsicha etc.). Depois da explicação foi feito uma atividade para que as pessoas presentes separassem rótulos de alimentos entre os que devem ser evitados, os de consumo moderado e os de consumo livre.

 

Fernanda de Aquino Santos - beneficiária

A assistida Fernanda de Aquino Santos (30 anos) disse que orientações como essas são importantes, mas lamentou o preço dos alimentos: “A gente acaba comprando a salsicha apesar de saber que deve evitar porque o dinheiro não dá para comprar o frango ou o feijão, a cesta ajuda e quando a gente consegue compra o que é certo”.

Maria José Dúlia - beneficiária

Já Maria José Dúlia, moradora do Loteamento São João, participou pela primeira vez das atividades do programa, mas relatou que achava importante aprender. “Eu achei bem interessante as informações passadas aqui”, declarou.

Elisângelea Paes Andrade - beneficiária

 

“Para mim é importante, minha mãe é diabética, minha família tem tendência a câncer, então é importante porque o que eu vou comer hoje amanhã vai resultar na minha saúde. Palestras como essa são importantes para a gente saber do que está se alimentando porque vamos passar para os nossos filhos”, foi o que disse a, também, nova assistida Elisângela Paes Andrade.

A coordenadora do Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional (Cresan), Winne Fontes, explicou que “com essas informações eles terão autonomia para fazer escolhas mais assertivas, evitando os alimentos ultra processados, ricos em gorduras sal e açúcar e priorizando os alimentos in natura como base da sua alimentação. Aproveitamos a oportunidade para incentivar o cultivo de alimentos em casa e o consumo de alimentos da estação pois assim conseguimos preços mais acessíveis e justo”.

Na ocasião foram entregues 65 cestas básicas de alimentos para famílias assistidas que residem na sede do município. Na quarta-feira (21) foi a vez das famílias do grande Rosa Elze.