Belivaldo Chagas visita as novas instalações da Maratá em São Cristóvão

30/08/2021 - 15:08 Atualizado há 2 horas



Celebrando o lançamento do primeiro pilar do novo moinho, para a moagem de trigo e derivados, do Grupo Maratá em São Cristóvão, na manhã desta segunda-feira, 30, o governador de Sergipe, Belivaldo Chagas; o prefeito de São Cristóvão, Marcos Santana e os empresários do Grupo Maratá, Frank Reis Vieira e José Augusto Vieira organizaram uma comitiva para a realização de uma visita técnica às instalações. O projeto, que conta com investimento de R$ 200 milhões, é contemplado pelo Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI), recebendo incentivos fiscais do Governo do Estado, através de redução no ICMS. A previsão é de que as novas instalações entrem em operação em maio de 2022.

 


“Este será mais um empreendimento, que vai gerar renda e emprego dentro do estado de Sergipe. Convém ressaltar que se trata de uma empresa genuinamente sergipana, que atuará numa área que levará o nome de Sergipe para o nordeste, para o Brasil e para o mundo. Quando vemos um empreendimento sendo instalado no Estado, temos que dar incentivos para que as empresas se instalem e cresçam fortes. Essa obra vai se tornar um cartão de visita, e tenho certeza absoluta que a partir deste empreendimento outros chegarão, principalmente, para a cidade de São Cristóvão, que era uma cidade carente de instalação de empresas. A Maratá vai contribuir para que tenhamos neste município a criação de um polo industrial. Parabenizo o Grupo Maratá por acreditar em Sergipe”, disse Belivaldo Chagas.

 

 

A estimativa é que o moinho de trigo da Maratá gere 75 novos empregos diretos, além de outras vagas indiretas, com priorização de mão de obra da própria cidade. As instalações devem contar com a tecnologia mais moderna existente, atualmente no ramo, potencializando a capacidade de expansão da empresa e o favorecimento de atividades derivadas da moagem de trigo na região.

 


As tratativas junto ao Governo do Estado para implantação do moinho foram iniciadas há mais de um ano, com suporte técnico da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) e da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Sergipe (Codise). O início das atividades, anteriormente estimado para 2020, foi adiado em função da pandemia.


“Sem o apoio do estado não seria possível construirmos esse empreendimento aqui na cidade de São Cristóvão. Do Estado necessitamos de todas as licenças e liberações, e o Estado não mediu esforços para que isto acontecesse. Sobre o apoio do prefeito Marcos Santana, friso todos os esforços que ele fez para que a empresa se instalasse no município. A empresa iria acontecer de qualquer forma, mas ela está acontecendo em São Cristóvão justamente por esse apoio, e estamos muito satisfeitos com isto”, pontuo o empresário, Frank Reis Vieira.

 


O moinho vem sendo erguido em uma área de 100 mil m² concedida pela Prefeitura de São Cristóvão. A concessão do terreno se deu no âmbito do Programa de Desenvolvimento Econômico de São Cristóvão (Prodesc), iniciativa constituída sob os moldes do Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial, após entendimentos com o Governo do Estado.

 


O prefeito Marcos Santana reiterou a importância da Maratá em São Cristóvão, principalmente, por ser uma empresa que vai movimentar a economia local, gerando emprego e renda. “O governador Belivaldo Chagas já tinha conhecimento desta obra, e hoje teve a oportunidade de vir conhecer as instalações e ver com seus próprios olhos a magnitude desse empreendimento de 200 milhões de reais. Do ponto de vista econômico, a instalação da Maratá vai ser um divisor de águas, marcando um antes e o depois no setor econômico de nossa cidade”, finalizou o prefeito.

Belivaldo Chagas (ao centro) e comitiva da Maratá e da Prefeitura de São Cristóvão

 

Paulo Júnior, José Augusto Vieira, Marcos Santana e Diego Prado

 

 

Frank Reis Vieira

 


Fotos: Heitor Xavier.