‘Águas de São Cristóvão’ é tema de seminário Regional de Municípios do Norte e Nordeste

08/06/2020 - 12:06 Atualizado há 7 horas



Próximo dia 17, acontece o seminário Regional de Municípios do Norte e Nordeste. O evento ocorre via on-line, é promovido pela Associação Brasileira de Municípios (ABM) e terá como tema o programa 'Águas de São Cristóvão'. Representando o município de São Cristóvão, o prefeito Marcos Santana irá apresentar o projeto para os demais participantes do seminário.


O projeto Águas de São Cristóvão, desenvolvido pela Prefeitura do município e que premiou a gestão com o primeiro lugar no Prêmio Cidades Sustentáveis 2019, já beneficiou 5.600 sancristovenses residentes nos povoados Timbó da Barragem, Alto da Boa Vista, Alto do Cristo, Casulo/São Gonçalo/Baixa da Colina, Aldeia, Feijão, Arame II, Novo Horizonte, Ingazeira, Carmo, São Gonçalo/Alto da Colina.

 

Por meio do Programa, a gestão realiza a implantação de poço tubular para abastecimento de água em povoados. Desenvolvido pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto – Saae -, em parceria com o Governo do Estado -, o projeto alcançará mais de mil famílias ao fim de sua execução.

 

Marcos Santana ressaltou a satisfação em apresentar para gestores do Norte e Nordeste ações que modificam positivamente a rotina da população.

 

“Esse convite confirma nossa capacidade de desenvolver ações que melhorem a vida das pessoas efetivamente. O Águas de São Cristóvão é um programa pensado para a realidade de nosso município e que resgata a dignidade e autoestima das comunidades envolvidas. Poder levar nossa experiência e inspirar ações desse tipo é gratificante”.

 

Projeto recebeu o 'Prêmio Cidades Sustentáveis 2019'


De acordo com o diretor-presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), Carlos Melo, o município de São Cristóvão, por muitas décadas, vivenciou uma situação paradoxal em relação à água, já que é um lugar rico em recursos hídricos e a população sofria de desabastecimento.

 

“A interrupção do abastecimento regular de água para a população local ocorria devido ao sucateamento e a ausência de manutenção dos equipamentos de captação, tratamento e distribuição da água para os estabelecimentos domiciliares e comerciais. É muito bom ver que estamos no caminho certo, que as pessoas estão felizes em ter água de qualidade em casa depois de tantos anos”, explica Carlos.

 

Fotos: Diretoria de Comunicação