1º Festival de Teatro de São Cristóvão é realizado no Rosa Elze

27/03/2022 - 17:04 Atualizado há 2 dias



 

A população de São Cristóvão teve a oportunidade comemorar o Dia Internacional do Teatro (celebrado neste domingo 27) assistindo de forma gratuita ao 1º Festival de Teatro de São Cristóvão, ocorrido no sábado (26). O evento promovido pela Fundação Municipal de Cultura e Turismo (Fumctur) da prefeitura de São Cristóvao aconteceu no palco montado na praça Horário Souza Lima, no bairro Rosa Elze.

 

 

Os três espetáculos apresentados foram “O galinho Gripado em tempos de coronavírus”, do Grupo Ciranda Brincante, “Para viver de Cartucheira - no bando de Lampião”, da Cia Teatral pro-cena de espetáculos e  “Orum Aiyê: A Criação”, do grupo Alarokê. Todos os grupos foram contemplados pela Lei Emergencial Aldir Blanc e reuniram um público diverso, de crianças, jovens e adultos.  

 

O primeiro espetáculo a se apresentar foi “O galinho Gripado em tempos de coronavírus”, com a proposta de informar as crianças sobre os cuidados na pandemia de forma lúdica.  “Nosso trabalho é para conscientizar a criançada com relação aos cuidados com a pandemia. Estou honrada em participar do evento, pois sou moradora aqui de São Cristóvão e me sinto muito feliz em fazer parte dessa história”, afirmou Julia Caianara, atriz que apresentou “O galinho Gripado em tempos de coronavírus”.

 

 

Julia Kaianara, atriz de “O galinho Gripado em tempos de coronavírus”

 

As conquistas, lutas, vitórias e situações vividas pelo cangaceiro Lampião ficaram a cargo do espetáculo “Para viver de Cartucheira - no bando de Lampião”, segunda apresentação do dia. “A importância de Lampião é que ele ainda está presente. Ele é visto como herói, vilão, e de qualquer forma ele faz história. Mostrar essa valentia neste Festival é uma maravilha para nós que temos 40 anos de tradição”, relatou Rick de Carlo, ator da Cia Teatral pro-cena de espetáculos.

 

 

 

Peça “Para viver de Cartucheira - no bando de Lampião”

 

Por fim se apresentou no palco o grupo Alarokê, com a peça “Orum Aiyê: A Criação”, que narrou o mito da criação do mundo, disseminando as histórias dos orixás e assim buscando combater o racismo religioso através do entretenimento. “Foi muito bom começar o ano de forma positiva, com cultura e junto a nossa população, é maravilhoso. A importância desse espaço é fomentar a cultura da nossa terra e mostrar o que Sergipe tem de melhor para a população que mais precisa, o teatro para todos”, afirmou Clênio Leite, ator do grupo Alarokê.

 

 

Peça “Orum Aiyê: A Criação”

 

“Um Festival de teatro é sempre muito bom, sempre muito bem-vindo, principalmente aqui em São Cristovão, na cidade mãe. Importante incentivar a molecada e trazer a Universidade para discutir isso também, pois o curso de teatro está dentro de São Cristóvão. É o momento de incentivar, e começar com a produção local é muito importante”, enfatizou Isac Galvão, ator e diretor de teatro que prestigiava o evento.

 

Isac Galvão, ator e diretor de teatro

 

Para Elma Santos, diretora de cultura arte da Fumctur, a realização de um Festival de Teatro era uma demanda que a Fumctur queria já há algum tempo. “Há um número considerável de grupos de teatro no município e estamos vendo uma receptividade muito boa do público. Essa é a primeira edição de muitas que a gente quer executar, com o público tendo acesso gratuito ao teatro, assim em praça pública”, afirmou Elma Santos, diretora de cultura arte da Fumctur.

 

 

Elma Santos, diretora de cultura arte da Fumctur

 

Fotos: Dani Santos