10 anos da Chancela: Webconferência de comemoração discutiu a importância do título para o Brasil

03/08/2020 - 12:03 Atualizado há 12 horas



A Prefeitura de São Cristóvão realizou na manhã do último sábado (1°), uma webconferência em celebração aos 10 anos da Chancela da Praça São Francisco. Transmitido pelo canal do Youtube da Prefeitura, o evento teve como tema “As experiências exitosas nos sítios Patrimônio Mundial do Brasil e novos desafios”.

 

O prefeito Marcos Santana foi o mediador do evento que contou com a participação do arquiteto, Doutor em Gestão Urbana pela Universidade Politécnica da Catalunha, Marcelo Brito, da historiadora pela Universidade Estadual de Goiás, Salma Saddi Waress de Paiva, e do arquiteto e urbanista da Secretaria Municipal de Infraestrutura de São Cristóvão, Edílio José Soares.

 

O prefeito Marcos Santana abriu a live enfatizando a importância da Praça São Francisco para os moradores da cidade. “A chancela da praça impactou de diversas formas a vida do nosso povo. Um exemplo é a rede de esgotamento sanitário, um dos requisitos para a candidatura da praça, e que hoje abrange quase 90% do centro urbano”, disse o prefeito.

 

Dando sequência a webconferência, o arquiteto e urbanista Marcelo Brito explanou sobre os benefícios atribuídos aos locais declarados Sítios de Patrimônio Mundial. “Aumenta a projeção internacional, valoriza os imóveis localizados nas áreas declaradas como patrimônio, aumenta o fluxo turístico e gera emprego e renda para a população. Tudo isso traz inúmeros benefícios para a cidade”, declarou Marcelo.

 

Ainda segundo ele, a cidade de São Cristóvão faz parte do seleto grupo de sete cidades históricas que são consideradas Patrimônio Mundial da Humanidade

 

A historiadora, Salma Saddi, falou das semelhanças de outros sítio com a Praça São Francisco, no tocante ao título de Patrimônio Mundial. Com o tema: “Cidade de Goiás - estudo de caso”, a especialista trouxe um olhar mais próximo dessa realidade. “A mudança da capital de Goiás foi, por um lado, muito bom para a cidade, pois conservou toda a estrutura arquitetônica do sítio”, declarou Salma.

 

Ela também enfatizou a importância das ações educativas para que o sentimento de pertencimento cresça entre os habitantes dos sítios declarados Patrimônio Mundial da Humanidade.

 

O arquiteto da Secretaria Municipal de Infraestrutura, Edílio Lima, também participou do evento e na ocasião contou que a gestão da praça não é feita unicamente pela prefeitura e pelo IPHAN. “Temos um comitê gestor da praça, que é formado por moradores, comerciantes, por pessoas que vivem esse espaço. Uma forma muito responsável de determinar o uso do espaço que é nosso”, finalizou Edílio.

 

 

Nas conclusões todos concordaram sobre a importância da Praça São Francisco para a história e memória brasileiras, na necessidade e importância da sua preservação e na potencialidade turística da mesma. Lembrando que esses fatores só acarretam mais responsabilidade aos gestores municipais e que para isso precisam do apoio dos órgãos responsáveis pela preservação em níveis estadual e federal.